Conto: “The girl and the Ajuricaba”

(by Kenio Barros de Ávila Nascimento)

The girl and the Ajuricaba

She was a child then. In his eight years of life, many of them spent with his father at the edge of the Solimões River, he had suffered little. Her mother, who died two years after she was born, had almost no memory. Only the beautiful, vague motherly smile she remembered. They said she had it, too. When his father was away, he would wander around with his little friends and friends in the village; to swim in the tributary rivers and in the iguarapés, in the floodplains; or to play around the village.

Like any day, waiting for her father, she was close to home. Lurking, waiting for the paternal vision.

On that day, as on another day, his father arrived. And he wore a lightly kneaded armor, carried a French gunship, and carried a sword and arquebus on his shoulder.

She turned in time to see the arrow sink into her father’s helmet: Portuguese captain, who fell by the river. And he was not the only officer killed that twilight. Frightened, the girl rushed over to him, but voicing from the woods and rushing from the women in a rush dragged her to a small boat of twisted logs, improvised and guided by other fugitives. He survived the attack.

#

They descended on the opposite bank of a tributary river. He suffered hunger, cold, mosquitoes. Finally, when they reached another settlement, she was recognized by her foster sister, an ihié-boah, a “little girl” in the Tikuna language. Hours and hours later, a rowboat, not too big, passed and rescued the survivors, going to Solimões River below:

 — Ihié-boah, where are we going? … Painho, he …?

— Give me your hand … the boat!

On the long journey that followed the encounter with Rio Negro, the boat passed by Vila de Ega, at the mouth of Tefé, where the girl can see, from the river itself, the old fortress from where her father had been the lieutenant of the 5th Company of Ordinances a few years ago.

— Ihié-boah, shall we go to the old house?

— No, no … Just pass by. The boat goes to Forte da Barra, on the Rio Negro.

It was then early June in the Amazon, when rivers in general are more navigable. And a cold had just arrived.

The girl trembled not only in cold, but out of fear as she saw the first canoe pass by, which frightened her:

— Calm down, look at the ouheh [canoe] of them: … they are not Manaus, nor friends of them,  said Ihié-boah, reassuring her.

#

At times, when passing by canoes or other boats, the crew established contact by gestures, signs, nods, shouts in Portuguese, nheengatú, tukuna, tupi or any other language useful to the communication, until the Dutch.

One of the survivors on the boat came to comment on others who had long been known about the alliance of the Manaus tribes with the Dutch, north of the kingdom’s borders in Brazil, and even after many punitive expeditions were sent by Portugal, nothing has changed.

The barge still passed by the entrance of Lake Ipixuna, and further ahead, near the mouth of Lake Coari, the boat stopped in a village of no more than a hundred souls.

The survivors and the crew descended. They were finally assisted by remedies and some treatment offered by the local Tapiras Indians. The local priest, a Jesuit, said there were no official doctors and so there was no way to get blood. Lucky there was a Chinese healer practicing his multi-millennial art.

The Chinese administered his homeopathic doses, and spoke thus to a patient, in an excellent Portuguese:

— Use like this: two doses a day of natru muraricum; and three times a day of arnica montana until completely healed.

Such luck – finding a homeopath on the way – cheered the wounded and other survivors who returned animatedly to the boat at the next dawn to continue the almost quaint but exhausting and long voyage.
Before boarding, the crew and the local Indians renewed the boat’s stock of food, even with tracajás and tapiocas.

#

Six days later, in the afternoon, under strange dark clouds, the boat saw the land of the Muras Indians, which meant that it would arrive the next day at the fort of the Rio Negro.

At night, when the boat approached much of the land, the mystery was undone: clouds of smoke were visible. Labaredas burned their land, gigantic tongues of fire protruding into the black sky. The left bank of the river burned in some places. There were loud buzzings, whistles of wind, and in the distance perhaps human cries.

The girl retreated, hugging her own legs. Ihié-boah noticed the annoyance, and said:

— Tomorrow we’ll come and see our aunt …

—  Swear?

— By tupana [God]!

The next day, upon arriving at the port of Forte da Barra do Rio Negro, it was difficult to disembark by the intense shuttle of boats, many under the royal flag of Portugal.

And at the moment of docking, shouts were heard, followed by cheers, echoing throughout the docks of the harbor, for minutes.

The girl did not understand, and asked the older sister, who said:

— They surrendered! It seems … The Manaus …. the war is over

#

These were the girl’s last memories of the year of the first false-surrender of the Manaus and their allies.

Eight years later, in December 1728, when the rains used to wash without respite the São José Fort of Rio Negro, this girl, now a girl of sixteen, deposed in the governmental inquiry into the crimes of the captured Indians – and the girl would be one of the key witnesses.

She remembered those events that had happened eight years before, and far away, from the upper Solimões. And such memorabilia were vividly reported to government officials that year-end.

During the interrogations, for the first time and last in the life, the young woman saw closely the leader of Manaus. He heard his words, which echoed gravely in the room where he made his statement, issuing safe, challenging and ironic phrases, worthy of a leader, although surrendered.

On being heard, the leader of the Manaus had his interrogation registered, and follows below a part of the transcript of the proceedings of the process, because they noted his testimony:

“And Manaó’s public interrogation by the state prosecutor’s office began:

 — Are you a member of the tribe of Manaos? — asked a promoter.

— You know that yes.

 — And who are you?

 — My name is Ajuricaba.

— Infamous, your name is. Where did you learn Portuguese?

— With you, as a child, I lived years near the fort.

— What about the Dutch? You speak Dutch too, do not you?

— Yes, I also lived on the northern borders, and I lived with them …

— Do not you live any longer? Or does he only trade with them, enemies of the Portuguese crown?

— And who is not the enemy of the Portuguese crown!

— How dare you? … What have you done to the black slaves … fugitives owned by the kingdom, in your power?

— My power? I set them free.

— As?

— I do not make slaves: I only make free men …

— Cynical … because you terrorize with your tribes other peaceful tribes, besides committing the peace in the domains of Portugal.

— I …

— Tell us: Did you participate in the attempt to siege the Alliance of Manaus to this Fort of the Rio Negro River three years ago, in the year 1725?

— Yes, I participated.

 — And leaded?

— Yeah, they call me boss.

— Whatever. You will be transferred to St. Mary of Bethlehem of the Great-Pará in order to hear your sentence there.  And put him on a royal ship, where he will continue to set the irons until he reaches his destination, said a promoter.”

Months later, the girl was informed by authorities about the fate of the Manaó Indian; and she, dazed, wept convulsively, for she felt sorry for him.

Conto: “A menina e o Ajuricaba”

(Autor: Kênio Barros de Ávila Nascimento)

A menina e o Ajuricaba

Era então uma criança. Nos seus oito anos de vida, boa parte deles passados com seu pai à beira do Rio Solimões, pouco sofrera. Da mãe, morta dois anos depois dela nascer, guardara quase nenhuma lembrança. Só do belo e vago sorriso materno ela se recordava. Diziam que ela o tinha também. Quando o pai estava longe, vivia a perambular com suas amiguinhas e amiguinhos na vila; a nadar nos rios afluentes e nos iguarapés, nas várzeas; ou a brincar em torno da vila.

Como num dia qualquer, à espera do pai, ela estava perto de casa. À espreita, esperando pela visão paterna.

Naquele dia, como em outro igual, seu pai chegou. E vestia na ocasião uma amassada armadura leve, carregava um bacamarte francês, e portava espada e arcabuz a tiracolo.

Ela virou-se a tempo de ver a flecha fincar no elmo do seu pai: capitão português, que caiu à beira do rio caudaloso. E não foi o único oficial assassinado naquele crepúsculo. Assustada, a menina correu até ele, mas vozerio vindo da mata e corre-corre das mulheres em polvorosa a arrastaram até uma pequena embarcação de troncos retorcidos, improvisada e guiada por outros fugitivos. Sobreviveu ao ataque.

#

Desceram na margem oposta de um rio afluente. Sofreu fome, frio, mosquitos. Enfim, quando chegaram a um outro povoado, ela foi reconhecida por sua irmã de criação, uma ihié-boah, “mocinha” em língua tikuna. Horas e horas depois, um barco a remo, não muito grande, passou e resgatou os sobreviventes, indo rio Solimões abaixo:

– Ihié-boah, onde vamos? … Painho, ele …?
– Dá a mão … o barco!

Na longa viagem que se seguiu rumo ao encontro com rio Negro, o barco passou por Vila de Ega, na foz do Tefé, onde a menina pode rever, do rio mesmo, a antiga fortaleza de onde seu pai fora o alferes da 5ª Companhia de Ordenanças há poucos anos.

– Ihié-boah, nós vamos pra casa antiga?
– Não, não … Só passar aqui. O barco vai pro Forte da Barra, no rio Negro.

Era então início de junho na Amazônia, quando os rios em geral são mais navegáveis. E uma friagem acabava de chegar.

A menina tremeu não só de frio, mas por medo, ao ver passar a primeira canoa, que a assustou:

– Calma, veja a ouheh [canoa] deles: … não são Manaós, nem amigos deles – disse-lhe Ihié-boah, tranquilizando-a.

#

Às vezes, ao passar por canoas ou outros barcos, a tripulação estabelecia contato por gestos, sinais, acenos, berros em português, nheengatú, tukuna, tupi ou qualquer outra língua útil à comunicação, até o holandês.

Um dos sobreviventes, no barco, chegou a comentar com outros que há muito era sabido sobre a aliança das tribos dos Manaós com os holandeses, ao norte das fronteiras do reino no Brasil, e mesmo depois de muitas expedições punitivas serem enviadas por Portugal, nada mudou.

A barcaça passava ainda pela entrada do Lago Ipixuna, e mais a frente, perto da embocadura do Lago Coari, o barco parou num vilarejo de não mais que cem almas.

Os sobreviventes e a tripulação desceram. Foram finalmente assistidos por remédios e algum tratamento oferecido pelos índios Tapiras do lugar. O cura local, um jesuíta, disse que não havia médicos oficiais e por isso não havia como se fazer sangrias. Sorte que havia um curandeiro chinês, praticando sua arte multi-milenar.

O chinês administrou suas doses homeopáticas, e falou assim a um paciente, num excelente português:

— Usar assim: duas doses ao dia de natru muraricum; e três vezes ao dia de arnica montana até sarar completamente.

Tamanha sorte – encontrar um homeopata no caminho – alegrou os feridos e demais sobreviventes que retornaram animados ao barco no amanhecer seguinte para continuar a viagem quase pitoresca, mas exaustiva e longa.
Antes de embarcar, a tripulação e os índios locais renovaram o estoque de comida do barco até com tracajás e tapiocas.

#

Seis dias depois, de tardinha, sob estranhas nuvens escuras, o barco avistou a terra dos índios Muras, o que significava que chegaria no dia seguinte ao forte da Barra do rio Negro.

De noite, quando o barco se aproximou muito da terra, o mistério foi desfeito: viam-se nuvens de fumaça. Labaredas queimavam a terra deles, línguas de fogo gigantescas se projetavam ao negro céu. A margem esquerda do rio ardia em alguns pontos. Ouviam-se fortes zumbidos, assovios de vento e ao longe talvez gritos humanos.

A menina se recolheu, abraçou as próprias pernas. Ihié-boah notou-lhe o incômodo, e lhe disse:

— Amanhã chegaremos e veremos nossa tia…
— Jura?
— Por tupana [Deus]!

No dia seguinte, ao chegar ao porto do Forte da Barra do Rio Negro, houve dificuldade para desembarcar pelo intenso vaivém de barcos, muitos sob a bandeira real de Portugal.

E no momento de atracar, ouviram-se gritos, seguidos de vivas, ecoando por todo o cais do porto, durante minutos.

A menina não entendeu, e perguntou a irmã mais velha, que lhe disse:

– Eles se renderam! Parece … Os Manaós…. acabou a guerra!

#

Foram estas as últimas lembranças da moça sobre o ano da primeira falsa-rendição dos Manaós e seus aliados.

Oito anos depois, em dezembro de 1728, quando as chuvas costumavam lavar sem trégua o Forte São José da Barra do Rio Negro, esta menina, agora moça com dezesseis anos, depôs no inquérito governamental sobre os crimes dos indígenas capturados – e a moça seria uma das testemunhas-chave.

Ela se recordou daqueles acontecimentos ocorridos oito anos antes, e muito longe dali, iniciados no alto Solimões. E tais recordações foram relatadas vividamente às autoridades governamentais naquele fim de ano.

Durante os interrogatórios, pela primeira vez e última na vida, a jovem viu de perto o líder dos Manaós. Chegou a ouvir sua palavras, que ecoaram grave no recinto onde ele fez seu depoimento, emitindo frases seguras, desafiadoras e irônicas, dignas de um líder, apesar de rendido.

Ao ser ouvido, o líder dos Manaós teve seu interrogatório registrado, e segue abaixo uma parte da transcrição dos autos do processo, pois anotaram o seu depoimento:

“E o interrogatório público do Manaó pela promotoria governamental se iniciou:
– Tu és membro da tribo dos Manaós? – perguntou um promotor.
– Tu sabes que sim.
– E quem és tú?
– Meu nome é Ajuricaba.
– Infame, teu nome é. … Onde aprendestes o português?
– Com vocês, quando criança vivi anos nas proximidades do forte.
– E o holandês? Também falas holandês, não?
– Sim, também vivi nas fronteiras do norte, e convivia com eles …
– Não convives mais? Ou só comercializa com eles, inimigos da coroa portuguesa?
– E quem não é inimigo da coroa portuguesa!
– Como se atreves? … O que fizestes com os escravos negros … fugitivos de propriedade do reino, em teu poder?
– Meu poder? Eu os libertei.
– Como?
– Não faço escravos: só faço libertos…
– Cínico… pois aterrorizas com suas tribos outras tribos pacíficas, além de comprometer a paz nos domínios de Portugal.
– Eu …
– Diga-nos: Tu participaste da tentativa de cerco da Aliança dos Manaós a este Forte da Barra do Rio Negro há três anos, no ano de 1725?
– Sim, participei.
– E liderou?
– Sim, chamam-me chefe.
– Que seja. Tu serás transferido a Santa Maria de Belém do Grão-Pará a fim de ouvir tua sentença lá.
– E coloquem-no num barco real, onde continuará posto a ferros até chegar ao seu destino – completou o promotor.”

Meses depois, a moça tomou conhecimento por autoridades sobre o destino do índio Manaó; e ela, aturdida, chorou convulsivamente, pois sentiu pena dele.

Conto: “As sinfonias esquecidas”

Autor: Kenio B. A. Nascimento

As sinfonias esquecidas

Surgiu um androide – estilo antigo, de rodas – que guiou Pedro Moraes até o seu quarto, agora arrumado e pronto para recebê-lo.

Ao ficar sozinho no quarto, Pedro Moraes deixou-se cair de costas na cama de casal levitante e dormiu quase imediatamente, tamanho cansaço. Não da viagem, que foi curta e quase tranquila, mas dos preparativos, que foram bem estressantes.

Pedro Moraes dormiu a seguir por quase quinze horas, acordando na aurora de mais um dia marciano.

Ele vislumbrou boquiaberto a paisagem através da sua grande janela de titânio transparente: à esquerda, as colinas amareladas de Vacaruam estavam recobertas por uma névoa ora densa, ora translúcida, a depender do ângulo que luz solar a atingia, e do relevo das íngremes ladeiras à direita, no contraforte de Ladecartma, que a comprimia. Os holofotes da base se desligavam à medida que o sol subia no horizonte, mas antes criavam um efeito estranho, como se estivessem a varrer os confins da base em sintonia derradeira de uma peça de teatro cujos cenários eram cobertos ou feitos de fuligem extraterrestre cintilante.

Depois de levantar e tomar um banho, Pedro Moraes sentou-se próximo à janela novamente, e passou a refletir sobre o dia, como sempre fazia na Terra.

Tinha este positivo hábito auto inquisidor, herdado de sua mãe, espelhando-se ela em grandes personagens da História, como o notório “founding father” norte-americano, Benjamim Franklin, que fazia uma contabilidade moral ao fim de um dia ou no início de um novo dia, avaliando cada ação pessoal como boa ou má, e procurando a cada dia aumentar o saldo positivo desta conta.

Mas, se Pedro Moraes avaliava cada dia comum com um teste moral a la Franklin, o combinava com uma fria avaliação de seu desempenho profissional.

Perdido em seus pensamentos, Moraes mal notou a decolagem da nave em que viera, e que retornava à Terra agora. Quando percebeu, só viu a fumaça espalhada no pátio e que esta atingiu em cheio sua janela de titânio, escurecendo o seu quarto ao tampar os raios solares.

Tornou-se mais absorto ainda e agora ele avaliava o motivo desta viagem e o que esperar de sua estadia.

Lembrou-se de como recebeu uma ligação em seu implante telefônico, que só seus amigos e certos conhecidos tinham acesso.

Ao ver então a chamada de José Farias, há cinco dias terrestres atrás, Pedro Moraes jamais imaginou que estaria em Marte pouco depois. Logo ele que jamais teve qualquer atração por viagens interplanetárias.

Seu velho professor José Farias lhe disse em resumo: precisava da sua ajuda em triplo sentido. Sua presença como amigo; seu conhecimento em biologia; e sua expertise em música.

E, completou, dizendo que ele estava em Marte e era para lá que Pedro Moraes deveria ir às custas deles, jesuítas. E havia poucos, no mundo, que tinham tal saber.

Pedro Moraes aceitou de imediato, mas refletia agora se não foi imprudente, e deveria ter cravejado José Farias com inúmeras perguntas antes de ceder tal fácil:

– O velho e carismático José Farias me engabelou de novo… espero sair inteiro desta nova … aventura – e sorriu para si mesmo.

Pedro Moraes, violoncelista, membro de mais de uma filarmônica na Terra, poderia estar prestando seus serviços noutro lugar, ainda que fora do planeta-mãe, como nas Bases Lunares, ou nas Luas Jupiterianas, ou na cidadela humana em Ceres, ou nos céus Venuzianos, a bordo dos super-dirigíveis que lá flutuam sobre nuvens ácidas, ou em qualquer outro ambiente com objetivo de animar variadas platéias de humanos.

A seguir, levantou-se e caminhou à porta que se abriu a certa distância dele, saiu então do quarto indo em direção ao que parecia ser um corredor principal.

De lá, olhou ao redor e procurou uma tela com mapas em planta baixa e em 3D de toda a base em que estava:

– Vou circular por aí – disse Pedro Moraes em voz baixa a si mesmo.

Depois de muito caminhar pelas dependências da base, fato que lhe tomou o dia marciano inteiro, finalmente entrou numa denominada Sala de Mapas e analisou através de acesso em terceira dimensão o local do desastre, onde pairou virtualmente dentro e sobre o apocalipse que lá houve.

Bastou um olhar sobre as imagens de satélites do local, ou um sobrevoo em 3D virtual acima do planalto marciano de Pandoram, entre as crateras de Vespa e Valerium, para constatar o desastre: durante o dia marciano, a luz solar desvela o horror daqueles dias de morticínio: coisas abandonadas, domos translúcidos ultra resistentes quebrados, armas amontoadas, cinzas de incêndios, covas gigantescas onde se vê restos de corpos perto de piras incendiárias agora apagadas, e lixo, lixo e mais lixo humanos, como dejetos e tudo o mais. E à noite, constata-se o negrume naquele local, onde antes havia luzes possíveis de serem vistas da Terra, onde fervilhava uma cidade cujo brilho rivalizava com cidadela humana de Ceres – o último astro do Sistema Solar.

– Que desgraça … Foi pior que imaginei – falou baixo Pedro Moraes, sem notar que seu mentor estava atrás dele.

– Sei que é difícil, mas esqueça por um instante esta agora página virada da humanidade: temos algo para olhar a frente – disse José Farias.

– Tipo o quê?

– Meu caro Pedro Moraes, eu quero lhe falar de uma espetacular descoberta científica…

– Lá vêm os clichês: e você é sempre exagerado, professor José Farias. Tudo é superlativo para você, quando se trata de seus assuntos – disse Pedro Moraes.

– Caro, veja só, não estou aqui a serviço de ego nenhum, muito menos o meu. Se quisesse evitar fadiga, teria ficado em casa, a poucas quadras da Praça de São Pedro – rebate José Farias.

– E? – disse Pedro Moraes.

– Bem, se não acredita, veja por si mesmo: o que pensas ser isto? – perguntou José Farias.

– Um pergaminho? – inquere Pedro Moraes.

– Sim e não. O pergaminho era feito em geral da pele de caprinos. Trata-se de um equivalente ao pergaminho, com a mesma função de registrar escritas para posteridade, mas feito de outro animal, um “aasddna”. Aasddna é a “marcianus caprina”. Ela não existe mais – disse o mentor José Farias. – Não na Terra. Trata-se de um “pergaminho” de uma “cabra” marciana. De 50 mil anos atrás – completou ainda José Farias.

– Bom, então vocês descobriram indícios de vida alienígena já extinta em Marte, pronto? – disse concluindo Pedro Moraes

– São provas, não indícios. E não se trata de só de vida alienígena em Marte, mas de vida extraterrestre humana! – disse José Farias.

– Certo, certo, e qual o motivo de me trazer aqui? Vocês encontraram mais animais marcianos, ou o quê? – disse um pouco alterado Pedro Moraes.

– Mas não foi este o único motivo. Foi o pergaminho marciano, o seu conteúdo!

– Conteúdo? Mas eu não sou filólogo, meu caro José Farias! Nem linguista!

– Vou direito ao ponto: nossos tradutores já decifraram o pergaminho, está numa linguagem próxima aos famosos hieróglifos Maias, encontrados ainda hoje na região da Guatemala. Na primeira parte dos pergaminhos contêm o Mahabharata! Que é livro sagrado hindu, composto por quase noventa mil versos, originalmente escrito em sânscrito na Terra – disse José Farias.

– … E cujo o Bhagavad Gita é apenas um capítulo deste livro colossal. Minha ex-mulher era nascida em Nova Déli, já me falou a respeito – completou Pedro Moraes.

– Foi o que encontramos, os “originais”, a fonte mais autêntica e completa! Nós o chamamos de Mega Mahabharata, com talvez mais de um milhão de versos. Mais de dez vezes extenso que o equivalente terrestre – disse José Farias.

– Em Marte? De 50 mil anos atrás? E na linguagem próxima a dos Maias? – inqueriu Pedro Moraes.

– Sim, e está é só a primeira parte do conteúdo.

– E o resto? – disse Pedro Moraes.

– Na segunda parte (e última) encontramos no meio delas, encontramos o quê acreditamos ser partituras, partituras de algo próximo às nossas sinfonias. Sim, sinfonia marciana: ancestral, antiga, arquetípica, mas uma verdadeira sinfonia de Marte! – sorriu José Farias.

– Meu Deus… – disse o ateu Pedro Moraes.

– Deixe-me ver estas partituras de que você falou — disse exausto Pedro Moraes.

– OK, veja estas, são até agora mais de vinte… Leia esta você mesmo… Nós conseguimos traduzir algumas, mas poucas, vejam esta que chamamos: marciana nº3.

E assim Pedro Moraes examinou por quase uma hora aquela primeira tradução.

– Meu Deus, como é bela e … me lembra … é como se Beethoven fosse marciano! – disse Pedro Moraes.

– Vai ver que era! — brincou José Farias.

– E o restante, as demais partituras…?

– Aí é que você entra, meu amigo: caberá a você coordenar a equipe que traduzirá todas as outras partituras; descobrirá como funcionava exatamente os instrumentos musicais de Marte; e tentará reproduzi-los hoje, gravando o resultado e o apresentado uma das sinfonias perante o nosso Papa – disse José Farias.

– Você disse que o Papa pessoalmente sabe disso? – disse o incrédulo Pedro Moraes.

– Sim, ele que me enviou aqui. E a você também. Mas chega de conversa por hoje, estou exausto. Até amanhã, vou dormir. Fique com Deus!

– Até. Mas ficarei lendo algumas partituras meio traduzidas, vou analisá-las melhor… — disse Pedro Moraes.

– Boa noite! – disse ao sair José Farias.

#

Uma cápsula de emergência ejetou-se da base marciana poucas horas depois. Nela ia em fuga Pedro Moraes. Ela ficou à deriva no espaço por tempo incerto, tentando alcançar a Terra.

Ao chegar, ele correu à imprensa para informar do que ocorria em Marte. Marcaram uma entrevista coletiva para uns dias depois, mas Pedro Moraes teve um surto psicótico em público, o que lhe fez perder a sua credibilidade e ninguém lhe deu ouvidos.

Ele, Pedro Moraes, morreu dois anos depois numa clínica na Suíça, e suas últimas palavras delirantes gravadas em áudio foram estas frases em que ele repetia a si, quase sem parar, até falecer:

– Segredo: Tchaikovsky também era marciano … eu juro … Segredo: Tchaikovsky também era marciano … eu juro … Segredo: Tchaikovsky também era marciano … eu juro … Segredo: Tchaikovsky também era marciano … eu juro.